Quem me dera ser Alberto

Dou por mim a ler Caeiro,
Imersa na simplicidade dos seus versos,
Na pureza do teor das suas mensagens,
Sem complicações e quaisquer rodeios,
O poeta assevera que está livre de floreios

Ó “Guardador de Rebanhos”, quem me dera…
Quem me dera ser um pouco mais como tu,
Não perder-me em ávidos e tenebrosos pensamentos,
Não questionar tanto o mundo e os seus portentos,
E contemplar mais o sol, o campo e as flores

Se me pudesses ler, ai se me pudesses ler…!
Ó mais cândido dos heterónimos de Pessoa,
As mãos à cabeça erguerias, em sinal de inquietação
“Doente” me apelidarias, por sentir dor e pensar,
Por questionar a vida e os seus desígnios,
Sem querer aceitar que a vida é só isso mesmo: vida.

Quem me dera ser um pouco mais como tu,
Não eras um artista, nem o querias ser,
Rejeitavas sonhos e ambições, quanto mais obras-primas
Nos teus versos não há margem para arte de artesão,
As tuas linhas não retratam um muro,
Mas antes um ideal de perfeita imperfeição!

Na tua pequena aldeia a natureza admiravas,
Não como um todo, mas no seu particular,
Os rios, o cantar dos pássaros e a chuva,
Dispensavas a escrita à moda dos carpinteiros
E que bem que tudo te saía!
Porque em vez de pensar…,
Ai porque em vez de pensar, tu sentias!

Poema originalmente publicado na edição nº.1024 do quinzenário
A Voz de Cambra (1.ª/2.ª jan. 2017)

Entrarei em contacto, assim que possível.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.