Lisboa

Lisboa das sete colinas
Com o Tejo sempre à vista
Da Graça ao Adamastor
O rio espreita repleto de esplendor

Entre ruelas apertadas e escadarias,
Subimos ofegantes até à Mouraria
Ouvem-se em todos os cantos fados
Para júbilo dos bem-amados

Ao tomar o alto do Castelo
Observamos como é belo
O mais privilegiado dos miradouros
Sobre a cidade que já foi dos mouros

Em cada esquina sente-se História
O peso de cada conquista e vitória
Do rei que deu nome a Portugal
E fez deste um canto, por certo, especial

Descemos ante ruínas de romanos
Que refletem o passar dos anos
Da Lisboa ancestral,
Que encara o mundo do seu pedestal

Em Alfama ganham vida as cores
Das casas e dos seus moradores
No ar domina um perfume
Que vai além do típico costume

Sardinhas assadas e manjericos
Mais as vizinhas e os mexericos
Tornam o passeio um quanto agradável
Arrebata-nos uma sensação inexplicável

Junto à velha e bonita Sé
Damos louvores por percorrer a pé
A mais airosa das cidades
Onde quero ir em todas as minhas idades.

O desenho que ilustra o poema é da autoria do Arq. Ricardo Baptista

2 thoughts on “Lisboa

Entrarei em contacto, assim que possível.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.