Querido Diário

Querido Diário, meu querido
Quisera eu perceber o que se passa comigo
Qual a origem desta triste maleita,
Que sempre que me deito
Surge, sorrateiramente, para atormentar meu leito

Ai Querido Diário, meu querido
Conseguisse eu saltar fora da cama
Sem entoar ais e uis de lamentos
E o dia poderia ser mais colorido,
Ou revestido com menos tons cinzentos

Querido Diário, meu querido
Mas que dor é esta que me apoquenta?
Que não me larga e consome
Que faz tamanhas mossas em mim
Tão graves como qualquer greve de fome

Ai Querido diário, meu querido
Pergunto porque perco eu tempo contigo?
Tu que nunca me dás respostas
Deixando-me privada nas minhas palavras
Para as quais o teu silêncio são como linhas tortas

Mas que quero eu afinal?
Querido Diário, meu querido
Perdoa-me estes pensamentos incautos
Tu és apenas um simples livro
E, por isso, quero ficar contigo
Com ou sem estes sobressaltos

Ai Querido diário, meu querido
Somos só tu e eu neste mundo,
Neste mundo irremediavelmente ferido.

 

Entrarei em contacto, assim que possível.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.