Trebilhadouro: O doce renascer de uma aldeia d’outrora

Situada nos socalcos da Serra da Freita, a 625 metros de altitude, a aldeia do Trebilhadouro é conhecida pelos valecambrenses e habitantes dos concelhos vizinhos. Hoje em dia, no entanto, quase podemos afirmar que o seu nome chegou a praticamente todos os cantos de Portugal. Há uns tempos atrás tal constatação poderia soar a exagero, contudo poucos se atreverão a contrariar aquilo que é, de facto, uma realidade.

Em diferentes órgãos de comunicação social têm-se multiplicado os artigos que relatam a beleza e pureza deste recanto valecambrense. Abandonada pelo último morador quando o novo milénio era ainda uma miragem, a aldeia renasceu das cinzas da solidão, ao abraçar um presente, com um futuro repleto dum frenesim de forasteiros. Encontram o Trebilhadouro vindos dos mais variados destinos, por vezes até do estrangeiro. O projeto de requalificação – distinguido em 2015 pelo Instituto de Habitação e de Reabilitação Urbana – foi um sucesso e os resultados estão à vista.

IMG_5576

Com diversas opções para alojamento, as quais são exploradas por mais que uma entidade ou indivíduo, criaram-se as condições para que o Trebilhadouro emergisse nos mais afamados roteiros de Turismo Rural. As casas revestidas a pedras graníticas retratam o pulsar doutros tempos, quando o ritmar do quotidiano era marcado pela labuta agrícola em vez de estar refém das notificações das redes sociais nos smartphones. As eiras e os canastros recordam desfolhadas e vindimas passadas, ocasiões em que os aldeões tocavam e trabalhavam ao som das típicas concertinas.

Em cada caminho percorrido é evidente a raça de um povo que durante séculos se dedicou à arte do cultivo, ao sabor simples da vida do campo, longe da azáfama das urbes. Nesta aldeia, antes esquecida, as memórias antigas permanecem vivas. Os costumes daqueles que lá moraram são, inclusive, anualmente celebrados no Festival de Tradições do Trebilhadouro. No passado mês de março, e com as portas das casas abertas para os curiosos e interessados, a aldeia encheu-se de cor, música e alegria.

IMG_5662

Ao entrar nas habitações é visível a preocupação em preservar a identidade dum passado humilde, mas digno de ser continuadamente celebrado. O design de interiores foi, assim, concebido em articulação com os traços d’outrora e os d’agora: predominam as camas de ferro, as toalhas em renda, os adornos floridos e as madeiras afastadas do espírito contemporâneo dos móveis do IKEA. Em alguns casos, é possível desfrutar dum relaxante banho de piscina. Imagine-se no verão, tendo apenas a natureza para companhia e uma vista que peca apenas pelas marcas crassas da fúria das chamas, sem que tenha perdido, mesmo assim, um sopro de serenidade.

Inserida na rede de Aldeias de Portugal, a povoação do Trebilhadouro reconstruiu-se verdadeiramente, pedra sob pedra, merecendo um claro lugar de destaque no imaginário nacional. No Trebilhadouro recuperou-se o sabor da vida e o calor da atividade humana;muitos desejarão envolver-se entre a doçura da natureza e as águas do mar a perder de vista. Perdeu-se uma aldeia para habitar mas ganhou-se, inegavelmente, um sítio para admirar.

IMG_5557 (2)

12 thoughts on “Trebilhadouro: O doce renascer de uma aldeia d’outrora

Entrarei em contacto, assim que possível.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.