Revitalizar o corpo e a alma

As águas d’O Grove e da Ilha da Toxa são conhecidas pelos seus benefícios terapêuticos. Com a capacidade de eliminar o stress, junto à beira-mar, a azáfama do quotidiano deixa de fazer sentido. Enquanto se relaxa o corpo, ao desfrutar de uma excelente massagem, é possível libertar a mente e navegar pelo azul intenso do … Continue reading Revitalizar o corpo e a alma

Ilhas Cíes: O paraíso aqui ao lado

Se um dia alguém escreveu um poema sobre a magnânima paisagem de Vigo, na Galiza, por certo, encontrou nas Cíes a sua maior fonte de inspiração. Não há hotéis, nem azáfama citadina. Não há poluição, nem caixotes do lixo. Em vez de pessoas, as gaivotas de pata-amarela assumem o papel de moradores. Com o sentir … Continue reading Ilhas Cíes: O paraíso aqui ao lado

Humanos que preferem ser animais

Os dois acordaram lado a lado, tinham passado a noite enrolados como um casal de apaixonados, contrariando os seus anseios de animais. Não se recordavam muito bem do sítio onde se tinham conhecido, mas preferiam ter ficado aquém daquelas quatro paredes. Tudo parecia correr de feição. Estavam conectados pelo desapreço às trivialidades humanas. Mas algo … Continue reading Humanos que preferem ser animais

Um poeta obscuro é um poeta verdadeiro

Fechado no seu quarto, enclausurado como uma concha, o poeta está sozinho. Cansado de ouvir o telemóvel tocar. Desconectou-se das novas tecnologias. Deixou de ver os amigos e familiares. Movido por um ímpeto de profunda saturação, despediu-se do trabalho que mantinha por ‘fachada’; daqueles que servem apenas para pagar as contas ao final do mês. … Continue reading Um poeta obscuro é um poeta verdadeiro

Metamorfose

Metamorfose conspícua de uma larva Encarcerada num casulo de redenção Desponta como uma borboleta Bate as asas e voa livremente Sob os olhares de admiração Ignora-se o seu passado ignóbil Despojado de quaisquer pasmos Submergido em antros de escuridão Larva que deixou de o ser Borboleta alvo de colecionadores virou Metamorfose audaz no exterior Ironia … Continue reading Metamorfose

A minha palavra é livre

Somos parte de um mundo díspar Um lugar em que ardem os humanos E vigoram os fantoches maneáveis Marionetas de forças superiores Com descrença pela plateia Nos bastidores erguem-se algumas vozes Os invisíveis que cantam no meio do caos Cantam palavras de emancipação Cantam em silêncio sem serem ouvidos Não foram designados para protagonistas Mas … Continue reading A minha palavra é livre

O erguer dos Estados

Fronteiras traçadas com sangue Cercos, muros e barreiras, Arame farpado. Feridas profundas. Gritos inauditos que ecoam... Perdidos na tradução do indizível Faltam verbos, sinónimos e adjetivos Almas corrompidas pelo silêncio Vísceras rasgadas por réstias de luz Embarcados no submundo de Hades Ensaiam a cegueira da paralisação Não se mexem. Não observam. Não escutam. Os estados … Continue reading O erguer dos Estados