Idiossincrasia do não querer saber

Tic tac… tic tac.. tic tac… o relógio não pára de tilintar dá as badaladas da meia-noite anuncia o nascer de mais um dia Tic tac… tic tac… tic tac… – que fastidioso! já não basta estar perdida, com desnorte para a vida? Tic tac.. Tic tac.. tic tac… uma e outra vez,  num loop … Continue reading Idiossincrasia do não querer saber

Ritmos do enigma d’além

Que idioma indecifrável fonética e magneticamente toma de assalto a minha audição são palavras que desconheço, mas com uma magia intangível Que cantos delirantes chegam da terra-mãe do deserto ultrapassam quaisquer barreiras não existem constrangimentos, renuncio o sentido de fronteiras Arábia de tempos ancestrais os teus ritmos dançantes transparecem a alma de um povo que … Continue reading Ritmos do enigma d’além

A minha palavra é livre

Somos parte de um mundo díspar Um lugar em que ardem os humanos E vigoram os fantoches maneáveis Marionetas de forças superiores Com descrença pela plateia Nos bastidores erguem-se algumas vozes Os invisíveis que cantam no meio do caos Cantam palavras de emancipação Cantam em silêncio sem serem ouvidos Não foram designados para protagonistas Mas … Continue reading A minha palavra é livre

O erguer dos Estados

Fronteiras traçadas com sangue Cercos, muros e barreiras, Arame farpado. Feridas profundas. Gritos inauditos que ecoam... Perdidos na tradução do indizível Faltam verbos, sinónimos e adjetivos Almas corrompidas pelo silêncio Vísceras rasgadas por réstias de luz Embarcados no submundo de Hades Ensaiam a cegueira da paralisação Não se mexem. Não observam. Não escutam. Os estados … Continue reading O erguer dos Estados

Prelúdio de nada (Parte II)

O tempo passa velozmente. Cedo nasce o sol e depressa se levanta a lua. Sucedem-se os dias, meses e anos. Sucedem-se as estações. Uma sucessão de sucessões sem fim, mas nem damos pelo tempo passar. Observamos as divagações nas cores das pinturas que moldam as paisagens. Mostramos mais, ou menos pele, consoante os graus que … Continue reading Prelúdio de nada (Parte II)