Sem título

Quer-se o prazer da dor Agora somos semicorpos à janela No crepúsculo da casa silenciada, A luz da lua rompe a inocência De quem só nela vive Há um rosto na sombra Espalma som e luz, alumia meteoritos Rasga a utopia Grita nas entranhas Descobre-se na tela o contorno das figuras Um corpo martelado pela … Continue reading Sem título