O sonho e a dor

O sonho e a dor Juntos… revestem-se… Emanam uma cor, Repleta de tom grotesco Paralisia imutável de silêncio Torturas e convulsões, Eletrochoques em mil sessões Pânico insustentável? A dor e o sonho Permanecem lado a lado… Procuram o medonho, Com um ritmo frenético... a morte: – Ai de quem nos vier salvar!  

Vagões do purgatório

nos vagões imundos partiram acorrentados a um destino execrável pesadelo transformado em vida real sem alento pela Humanidade ou resquícios de dignidade amontoados entre excrementos e mortos sobre-lotaram os veículos ferroviários, que conduziram nas linhas do terror milhares de almas ao seu purgatório, última estada antes do final deploratório humanos transformados em animais despojados de … Continue reading Vagões do purgatório

Ritmos do enigma d’além

Que idioma indecifrável fonética e magneticamente toma de assalto a minha audição são palavras que desconheço, mas com uma magia intangível Que cantos delirantes chegam da terra-mãe do deserto ultrapassam quaisquer barreiras não existem constrangimentos, renuncio o sentido de fronteiras Arábia de tempos ancestrais os teus ritmos dançantes transparecem a alma de um povo que … Continue reading Ritmos do enigma d’além

Metamorfose

Metamorfose conspícua de uma larva Encarcerada num casulo de redenção Desponta como uma borboleta Bate as asas e voa livremente Sob os olhares de admiração Ignora-se o seu passado ignóbil Despojado de quaisquer pasmos Submergido em antros de escuridão Larva que deixou de o ser Borboleta alvo de colecionadores virou Metamorfose audaz no exterior Ironia … Continue reading Metamorfose

A minha palavra é livre

Somos parte de um mundo díspar Um lugar em que ardem os humanos E vigoram os fantoches maneáveis Marionetas de forças superiores Com descrença pela plateia Nos bastidores erguem-se algumas vozes Os invisíveis que cantam no meio do caos Cantam palavras de emancipação Cantam em silêncio sem serem ouvidos Não foram designados para protagonistas Mas … Continue reading A minha palavra é livre